10º CBA BATE RECORDE DE PÚBLICO E EXPOSITORES

DSC_0253_opt

O 10º Congresso Brasileiro do Algodão, que nesta edição aconteceu em Foz do Iguaçu-PR, chegou ao fim, após quatro dias de uma intensa programação focada na qualidade, nos diversos processos envolvidos para que o resultado final da produção algodoeira seja excelente e no combate ao bicudo. O evento aconteceu entre os dias 01 e 04 de setembro, além de minicursos, mesas-redondas e plenárias com conteúdo de altíssimo nível, o evento bateu alguns recordes que foram comemorados pelo presidente da Associação Brasileira do Algodão (Abrapa), João Carlos Jacobsen.

“Fechamos este Congresso com números recordes em relação a todas as edições anteriores, tanto no número de participantes como também no de expositores”, anunciou Jacobsen. Embora os números oficiais ainda não estejam fechados, a presença de delegações estrangeiras também mereceu ser ressaltada, com grupos vindos dos Estados Unidos, de países da África e da América Latina.

Jacobsen fez questão de destacar a organização do Congresso e o conteúdo abordado ao longo de quase uma semana. “Conseguimos transmitir a mensagem a todos, abrangendo desde o ciclo da planta à colheita, da gestão da propriedade a todos os desafios que o produtor enfrenta em relação a tudo isso. Queremos que o produtor tenha sucesso na lavoura e também na gestão do caixa, especialmente com o comportamento de câmbio que vemos nesse momento”, disse.

O dirigente salientou ainda a importância da equipe de 850 pessoas que trabalharam ao longo de todos os dias nos mais diversos setores. “Sem esse comprometimento não teríamos atingido tamanho sucesso”, explicou, lembrando que esteve à frente também da 5ª edição do CBA, realizada na Bahia. “É uma alegria imensa, uma realização pessoal poder trazer esse volume de informações para as pessoas”, finalizou.

O presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Celestino Zanella, destacou que o tema mais importante do congresso para os produtores da Bahia foi a qualidade do algodão. “Esta é uma preocupação constante de nossos produtores, já que a região conta com uma vantagem climática frente a outros estados. Outro ponto importante foi o combate de pragas, no qual temos conseguido resultados muito significativos”. Este ano, dados da entidade indicam o plantio de 276 mil hectares com produtividade de 4.020 quilos por hectare. A área deverá ser menor em função da dificuldade com crédito.

Os bons resultados do CBA foram celebrados também pela presidente da mais nova entidade estadual, a Associação dos Produtores de Algodão de Tocantins (Apratins) e diretora da Abapa, Isabel da Cunha. Ela destacou que o CBA é um dos maiores e mais fundamentais eventos para o setor por trazer um grande volume de informações relevantes.

O próximo CBA acontecerá em 2017 em local ainda a ser definido. À frente de sua realização estará o novo presidente da entidade naquele ano, o atual vice Arlindo Moura.

Por: Virgília Vieira

Postagem: Joselia Brito

Alô Alô Salomão

REAL-CALÇADOS-659x3471-659x347-659x347_opt edião Jho Brito