BARREIRAS: POR INTERMÉDIO DE LIMINAR JUSTIÇA MANDA DERRUBAR MURO EM LOTE DA RUA CAMAÇARI

Image00001

Oficiais de Justiça e policiais militares acompanharam na tarde desta sexta-feira, 14, a derrubada de um muro que havia sido construído pela publicitária Cibelle Dourado da Silva, em frente ao edifício residencial Rio Grande, na rua Camaçari, bairro Vila Dulce, no centro de Barreiras, oeste da Bahia.

Image00002

De acordo com Cibelle a demolição ocorreu por força de uma liminar expedida pelo Juiz José Luis Pessoa Cardoso, da 3ª Vara Cível da Comarca de Barreiras, o qual tomou a decisão sem a ouvida prévia da requerida. Ela apresentou uma série de documentos a nossa equipe de reportagem, por meio dos quais, afirma comprovar que a posse do terreno onde construíram o edifício, e também do lote em frente ao prédio é do seu pai, o ex-vereador barreirense, José Rodrigues da Silva, o popular Zé Xique-Xique.

Image00003

A mesma questiona a legitimidade da determinação judicial e promete recorrer da decisão. “Confio na isonomia do Poder Judiciário e espero que Justiça seja Feita. Não havíamos constituído advogados para cuidar do assunto, em confiança as possibilidades de acordo acenadas pelo senhor Peixoto (dono do edifício) de nos pagar indenização”,

Image00004

Ela possui em mãos, escritura pública de compra e venda lavrada no tabelionato do 1º ofício de notas e registrada no cartório de registro de imóveis 1º ofício, desde 1971; certidão de localização da parte onde foi construído o muro, expedida pela Secretária de Infra Estrutura do Município, Simone Kuriki; cópia da ficha matricula dos lotes números 09 e 10, com alteração indevida para lote 09 e parte do 08; cópia da planta original do loteamento, adquirida na prefeitura atestando a existência do lote e com foto aérea da quadra constando os referidos terrenos.

Image00005

Ressaltou ter tomado conhecimento que a escritura não era de um imóvel da rua Marechal Deodoro e sim da rua Camaçari (antiga Marechal Deodoro) depois da construção do prédio, portanto, esse foi o motivo de não ter exigido antes o direito de posse das áreas. “Somos proprietários do lote e temos como provar. Onde mandei murar, é parte de um do lote escriturado”, concluiu Cibelle.

Censura contra a imprensa

Reprimida por severas ameaças de uma Oficiala de Justiça, que segundo informações tem o pré-nome de Janete, nossa equipe de reportagem não teve como se aproximar do local para ouvir a outra parte interessada no litígio, o proprietário da edificação. Num claro tom de abuso de poder, a representante do Judiciário ameaçou solicitar a prisão dos profissionais do Alô Alô Salomão e Blog do Sigi Vilares, caso tirássemos fotos da área em questão ou das pessoas que ali estavam.

Seu despreparo se exacerbou quando se dirigiu até a viatura e solicitou aos policiais que nos afastasse da área sob a alegação de estarmos obstruindo seu trabalho. O jornalista Salomão Correia e o repórter do outro órgão de imprensa, neste momento estavam em via pública e no exercício legal de suas profissões. “Vocês estão aqui a mando da ré, se tirar alguma foto eu mando a PM prendê-los. Vou telefonar pra o Juiz”, bradou em voz alta.

Os policiais que se encontravam próximos apenas para manter a ordem pública no cumprimento da ação Judicial, não obedeceram a suas petições arbitrárias.

Documentos apresentados por Cibelle

Image00009 Image00010 Image00011 Image00006 Image00007 Image00008

Notícia atualizada em 15/03/2014 às 11h 00.

Alô Alô Salomão

 

casa-marceneiro