Bolsonaro assina decreto que permite porte de armas por colecionadores e atiradores

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou na tarde desta terça-feira o decreto que flexibiliza o porte de arma para colecionadores, atiradores esportivos e caçadores. A mudança na lei foi assinada em cerimônia em que Bolsonaro afirmou que os grupos terão o direito de transitar com arma e munição. Além disso, será possível ter mil cartuchos por ano, antes só era possível 50.

 

SAIBA MAIS

 

Ação no STF questiona decreto das ‘armas de fogo’ assinado pela presidência

Outra alteração dita por Bolsonaro é que praças das Forças Armadas com dez anos ou mais de serviços terão porte de arma a partir de agora. Consta ainda das novas regras a permissão para que nas propriedades rurais o dono possa andar arma dentro dos limites do terreno. O monopólio de importação das armas também foi quebrado.

 

“O nosso decreto não é um projeto de segurança pública. É, no nosso entendimento, algo mais importante. É um direito individual daquele que, porventura queira ter uma arma de fogo, buscar a posse, que seja direito dele, respeitando alguns requisitos”, afirmou.

 

Em 15 de janeiro deste ano, o presidente assinou outro decreto que permite a para facilitar a posse de armas de fogo – a possibilidade de o cidadão guardar o equipamento na residência ou no estabelecimento comercial de que seja dono.

 

Limite da lei

 

Em seu discurso, o presidente declarou que “foi como muita honra” que assinou o decreto e que, considera que a política de segurança pública começa nos lares.

 

“Nós fomos no limite da lei. Não inventamos nada e nem passamos por cima da lei. O que a lei abriu oportunidade para a gente nos fomos lá no limite, lá nos finalmente. E apesar de eu falar agora que não é uma política de segurança pública, eu sempre disse nas minhas andanças pelo Brasil, ao longo dos últimos quatro anos, isso é pessoal meu, que a segurança pública começa dentro de casa”, disse.

O presidente Jair Bolsonaro ressaltou, durante o discurso, a necessidade de união entre Executivo e Legislativo. Ele disse que ainda tem “cheiro de deputado” devido aos 28 anos que ocupou a função na Câmara. “Nós, Legislativo e Executivo, juntos, mudaremos o futuro do Brasil. E eu acredito em vocês, porque acabei de sair de lá, tô cheirando a deputado ainda. Foram 28 anos lá dentro, tá encalacrado no meu paletó, o cheiro de deputado. Então, quando eu digo nós, é nós mesmo”, afirmou.

 

Ele afirmou que não há intenção de mudar a forma de agir ou esquecer o passado militar e no Legislativo.

Fonte: Política

Alô Alô Salomão