COMERCIANTES FICAM AFLITOS COM PREJUÍZOS DO FOGO NO CAB DE BARREIRAS

COMERCIANTES EM AFLIÇÃO

Um incêndio de grande proporção destruiu um dos pavilhões do Centro de Abastecimento de Barreiras (CAB) e provocou grande prejuízo em dezenas de comerciantes que armazenavam e comercializavam seus produtos no local.  O fato ocorreu entre o início da madrugada e manhã desta segunda-feira, 09.

O semblante da maioria dos comerciantes apresenta o aspecto de desespero. Muitos dizem que perderam tudo que tinha.  O espaço funcionava como central de distribuição no atacado e varejo de verduras, legumes, frutas, frutos do mar e outros produtos que abastecem o consumidor direto e o comércio local.

As estruturas que comercializam tecidos e cereais não foram atingidas pelo fogo, mas um pavilhão fechado teve diversos boxes e barracas queimadas e a área aberta desabou e sofreu total destruição. “Quero que a prefeitura consiga um ponto provisório para eu trabalhar com minha esposa, porque não temos outra renda”, comentou o vendedor de lanches Adailton Barros.

Agentes da Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Guarda Municipal ainda permanecem no local. As chamas foram controladas, mas ainda há muita fumaça e pequenos focos de incêndio. A área foi totalmente fechada com faixas de isolamento, porque ainda existe perigo de desabamentos.

O feirante Valmir Nunes Cardoso declara que teve perda total em seu comércio. “Trabalho aqui há seis anos, não tenho outro meio de sobrevivência. Perdi meu freezer, geladeira, um forno comum, um forno micro-ondas e documentos importantes que deixei ai”.

Deusdetina Maria das Virgens diz que sofreu um prejuízo de aproximadamente R$ 30 mil em mercadoria. “Já deveriam ter arrumado isso”. “A prefeitura deixava a feira cheia de mendigos e a parte elétrica cheia de gambiarras”, comentou aos prantos.

SECRETÁRIO E PREFEITO VISITAM O LOCAL

O secretário de agricultura José Marques Batista de Castro prometeu fazer um levantamento das perdas provocadas aos feiraqntes e um estudo para ressarcimento dos prejuízos. Comerciantes alegam que o prefeito Zito Barbosa esteve no local e prometeu providências imediatas para reparar os danos causados a cada um deles. “O prefeito disse que a prefeitura vai fazer uma reunião com a gente e vai ajudar nossas famílias. Nos deu uma garantia. ”, disse Adailton Barros.

Mais uma vez, segundo informações de agentes do Corpo de Bombeiros, a falta de hidrantes prejudicou o trabalho de combate ao incêndio, porque os veículos tinham que ser abastecidos em locais muito distantes.

José marques declarou que a Defesa Civil vai depender de uma perícia para diagnosticar os danos no pavilhão de açougues e hortifrutigranjeiros, que deverá ser demolido, caso a estrutura tenha sido comprometida pelas chamas.

  

  

Alô Alô Salomão