CRIANÇA DOADA ATRAVÉS DE GRUPO DE RELAÇÕES NA INTERNET É DEVOLVIDA AO PAI BIOLÓGICO

A informação chegou à nossa redação por meio da bacharela em Direito, Verena Rambo, assistente e amiga do pai do recém – nascido, que o recebeu das mãos da adotante na Praça Sabino Dourado, bairro Barreirinhas, por volta das 10h 00 da manhã de hoje (14).

A doação ilegal foi realizada pela própria mãe do RN de cinco dias de vida, Alessandra Santos de 40 anos, no dia 05/03/2017, quando conheceu a mãe adotiva identificada apenas pelo prenome de Cintia, por meio de um grupo de adoção consensual, criado por um grupo de relações na internet.

Ela não chegou dar entrada em Ação de Adoção e nem possuía pedido de Guarda Provisória Para Fins de Adoção da criança, portanto, poderia responder processo por ocultação de recém-nascido, que é crime previsto no Código Penal brasileiro, caso negasse devolver o bebê.

O pai do bebê, um vaqueiro de prenome Dener, morador da zona rural do município, disse que teria ficado com a guarda da criança caso tivesse sido avisado sobre as dificuldades da mãe biológica e consequentemente o desejo dela de fazer a adoção. Assim que soube do fato, ele exigiu que a mesma pegasse seu filho de volta, mas a mãe adotiva não aceitava fazer a devolução.

Alessandra procurou o Conselho Tutelar e o complexo policial do bairro Aratu para denunciar o caso. A delegada plantonista, Thiara Ramos Martins Duarte disse que o assunto era de responsabilidade da Vara da Infância e da Juventude, mas Cintia entregou o garoto sem que houvesse qualquer intervenção da Justiça. “Vamos procurar a delegacia nesta quarta-feira (15), apenas para informar que tudo já está resolvido”, concluiu Verena.

FATO RELACIONADO NO LINK

Foto: Ilustração

Alô Alô Salomão

d´FRUT