Declaração de repúdio contra atendimento negligente no HO

Torno pública minha indignação com o péssimo atendimento oferecido pelos médicos pediatras do plantão desta segunda-feira (07), no Hospital do Oeste, em Barreiras/BA, por causa da extrema falta de respeito com mães de crianças de colo, que simplesmente foram desprezadas no setor de espera da pediatria, durante mais de três horas, por uma médica de nome não revelado e pelo médico identificado por Jorge Augusto. Eu acompanhava minha esposa com bebê de colo, de quatro dias de nascido, que não se alimentava bem, desde a data de nascimento e precisava ser examinado.

A médica encerrou seu plantão às 19h 15 deixando dois pacientes sem atendimento. De acordo com a recepcionista da unidade de saúde, seu substituto, o médico Jorge Augusto deveria assumir o plantão às 19h 00, mas chegou por volta das 20h 00, atendeu rapidamente alguns pacientes e abandonou o consultório. No momento em que saia do local, quando o questionei sobre a consulta do meu filho e de outra criança de colo, o mesmo declarou que os casos desses pacientes poderiam ser atendidos em até cinco horas, porque não estavam assinalados como prioritários na classificação de risco. Quase uma hora depois de sua ausência, preocupado com estado físico daquelas crianças e mães, perguntei à recepcionista da pediatria, Lorena Barreto, sobre o paradeiro do médico, a qual afirmou que ele se encontrava no hospital, mas não sabia exatamente em qual local e nem horário de retorno.

Procuramos outro pediatra no plantão do hospital, que também reclamou da conduta negligente do seu companheiro de trabalho, que durante o plantão deveria permanecer em seu consultório. Segundo ele, o mesmo tinha omitido atendimento a outros pacientes, que foram transferidos para seu setor, desta forma, provocando-lhe sobrecarga de trabalho. Indignado com a situação, nos orientou a formalizar denuncia na ouvidoria, situada na portaria do hospital, para onde nos dirigimos imediatamente, porém fomos informados que o órgão só funciona no período diurno. Também não conseguimos encontrar nenhum representante do HO que pudesse dar uma justificativa sobre a ausência do pediatra em seu consultório.

Diante da atitude desrespeitosa e desumana que presenciei, como profissional de imprensa, não poderia deixar de expressar meu repúdio ao que considero um descaso com o atendimento público de saúde e desrespeito com o ser humano.   

Por: Salomão Correia (Jornalista/RPR/0004845/BA)

Alô Alô Salomão