Denúncias de aplicação incorreta da vacina contra Covid são investigadas

Conselhos de enfermagem, Ministério Público e polícia investigam denúncias contra profissionais de saúde que não aplicaram a vacina corretamente.

A história da vacina de vento trouxe muita indignação. “Eu me senti mal, minha filha. Tadinho dos ‘veinho’. Tomando a vacina sem nada na agulha, né?”, lamenta a pensionista Luzia Gabrilo.

Mas isso não mudou os planos da Dona Luzia, de 83 anos, que nesta terça procurou um posto de vacinação no Rio. “Nós vamos abraçar, pular. Que nós vamos fazer?”, diverte-se.

As autoridades de saúde consideram as vacinas fake fatos isolados, mas já viraram caso de polícia. Vídeos que registram a hora da vacinação servem de prova das irregularidades.

Em Petrópolis, na região serrana do Rio, uma técnica de enfermagem usou uma seringa vazia em uma idosa de 94 anos. Em Niterói, na região metropolitana, a profissional de saúde inseriu a agulha, mas não aplicou a dose. Na capital, a cena se repetiu. A dose não foi injetada no braço de um senhor.

O Ministério Público do Rio investiga se a falsa aplicação está relacionada ao desvio de frascos da vacina contra a Covid e faz um alerta para uma situação que tem ocorrido em alguns lugares, como no município de São Gonçalo, também na região metropolitana. Um cartaz avisa que é proibido filmar e fotografar a vacinação.