ESTUDANTES DE BARREIRAS PARTICIPAM DE PROJETO SOBRE PRODUÇÃO DE ALGODÃO

Estudantes do Ensino Fundamental da Escola José Augustinho Porto, no distrito de Baraúna, zona rural de Barreiras, participam da terceira edição do projeto “Conhecendo o campo”, promovido pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão (ABAPA). Durante a atividade, esta semana, os alunos aprofundaram seus conhecimentos sobre o processo da cultura do algodão produzido no Estado na visita que fizeram ao laboratório, onde aprenderam a identificar, por meio de microscópio, doenças e pragas que atingem as lavouras de algodão, como bicudo, lagarta da maça e helicoverpa. Ao final, eles participaram de uma atividade lúdica com a simulação de uma colheita manual no campo.

 

Lauren Pereira, 10, 5º ano, falou sobre a experiência de conhecer o processo que envolve o algodão, desde a produção até a sua comercialização. “Já tinha visto uma plantação, mas nunca havia entrado em uma plantação para colher. Gostei muito”, conta a aluna. A vice-diretora da unidade escolar, Arleide Queiroz, ressalta a importância da ação. “Estou encantada com o projeto da ABAPA. Percebi que nossos estudantes saem mudados ao conhecer um pouco mais sobre a agricultura e do que é produzido em nossa região”, declara a gestora.

 

O presidente da ABAPA, Júlio Busato, reforça que a entidade, por meio desse projeto, busca evidenciar toda a estrutura de pesquisa e tecnologia que envolve a produção de algodão, além da importância da cultura da fibra para a geração de riqueza e de empregos para todo o Oeste da Bahia. Para garantir a produtividade no algodão, que nesta safra teve uma média de 300 arrobas por hectare e é a segunda melhor da história da região, Busato ressaltou a necessidade de investimento por parte dos agricultores em todo o processo, desde a escolha de cultivares adequadas ao clima, solo e resistente a pragas, até o manejo adequado para reduzir as pragas nas lavouras. “A Bahia deverá colher 1,2 mil toneladas na safra 2017/2018, sendo 481 mil toneladas em pluma”, afirma Busato.

Fonte: A Tarde

Postagem: Maicon Dias

Alô Alô Salomão