Locutor causa polêmica após xingar Pabllo Vittar e dizer que artista ‘não tem música de sucesso

Fonte: G1 BA

Adaptações: Alô alô salomão

20/02/2019 11h30  Atualizado há 2 horas

Pabllo Vittar — Foto: Fernanda Tiné

 

A Rádio Oeste FM, de prefixo 98, 5, em Barreiras, Oeste da Bahia, disse ter bloqueado fãs de Pabllo Vittar no WhatsApp da emissora, criado para que ouvintes possam pedir músicas na programação, após receber uma série de “ataques” por meio do aplicativo e em outras redes sociais, que estavam prejudicando suas atividades de produção diária. Locutores da emissora receberam pedidos insistentes e/ou enfadonhos durante dias, que partiam de falsos perfis nas redes sociais, querendo forçar a introdução de seus pedidos musicais na grade de programas.

O coordenador artístico da emissora, Carlos Oliveira acredita que os ataques podem ter origem em empresas de disparos de mensagens em massa.

“Essa reação dos fãs veio do nada. São números até com o código de área dos Estados Unidos, São Paulo, Minas, João Pessoa. Parece mesmo empresas de disparo em massa, que passaram a prejudicar o nosso trabalho, impedindo que atendêssemos aos ouvintes reais da emissora, por conta da quantidade de mensagens que disparam por segundo no WhatsApp, Instagram e Facebook. Nessas ultimas redes, é possível ver perfil fake incitando ódio contra a rádio”, destacou.

Na internet, no entanto, ouvintes dizem que Pabllo Vittar vem sendo “boicotado” pela Rádio Oeste FM, que estaria se recusando tocar suas canções, e que os bloqueios ocorrem contra quem entra em contato pedindo música do artista, sobretudo o hit “Seu Crime”, single do álbum “Não Para Não”.

O caso gerou repercussão e Pabllo chegou a se pronunciar sobre o caso em seu perfil no Twiiter. “Não toca na rádio mas tá na boca do povo amoooor ? bjs vittarlovers ?”, postou a drag.

A polêmica envolvendo a rádio e os fãs de Pabllo se intensificou na última semana depois que um locutor da Rádio Oeste FM, Wendel Novaes, enviou áudios para fãs que entraram em contato com o WhatsApp da emissora.

Nos áudios, o funcionário da rádio rebateu a denúncia dos fãs de homofobia, disse que estava cansado dos pedidos para que a música de Pabllo fosse executada na programação e ainda xingou o artista. A gravação foi parar na internet e gerou revolta em muitos fãs de Pabllo.

“Não tem nenhum homofóbico aqui, não. Estou cansado de vocês aí de todo lugar do Brasil ficar mandando porra de mensagem pedindo essa desgraça de cantor aqui. A gente não toca e ponto final”, diz o locutor em um trecho do áudio.

“Não tem nada a ver com preconceito, viu companheiro. Aqui, a gente toca Maria Gadu, nós tocamos Ney Matogrosso, Emílio Santiago, Ana Carolina, entre outros, a própria Daniela Mercury. Só que o seu cantor que você está pedindo, a gente não toca na nossa programação, porque não tem música de sucesso, não está mais fazendo sucesso. Foi passageiro e ponto final. Nós somos uma rádio independente e nós tocamos o que nós queremos. Tá compreendendo? Não tem nada a ver com preconceito”, afirma, em outro trecho.

Os áudios foram divulgados na internet por um fã-clube de Pabllo. A Rádio Oeste FM, confirmou a autenticidade das gravações.

Rádio alega ataques

O coordenador artístico da rádio disse que a polêmica teve início porque, primeiro, os fãs de Pabllo começaram a atacar a rádio no WhatsApp da emissora e em outras redes sociais. Ele afirma que, por conta do grande volume de ofensas, a rádio começou a bloquear os ouvintes. Também garante que, os ataques podem partir de fake news.

 Foto: Reprodução

“Em momento algum praticamos comportamentos homofóbicos ou compactuamos com ato de intolerância, seja qual for o tipo. Acontece que desde o final de janeiro, as principais redes sociais da Rádio Oeste FM de Barreiras, foram bombardeadas com comentários de baixo calão por diversos fãs do artista. Como é uma prática comum de fã-clubes de artistas em diversas rádios do país, ignoramos o pedido para execução da musica, já que os ouvintes não são reais, não estariam ouvindo a rádio”, destacou Carlos.

Ele acredita que os ataques podem ter origem em empresas de disparos de mensagens em massa.”Essa reação dos fãs veio do nada. São números até com o código de área dos Estados Unidos, São Paulo, Minas, João Pessoa. Parece mesmo empresas de disparo em massa, que passaram a prejudicar o nosso trabalho, impedindo que atendêssemos aos ouvintes reais da emissora, por conta da quantidade de mensagens que disparam por segundo no WhatsApp, Instagram e Facebook. Nessas ultimas redes, é possível ver perfil fake incitando ódio contra a rádio”, destacou.

Ainda conforme Carlos, a rádio não tem nada contra Pabllo Vittar, mas diz que a rádio tem um estilo de músicas diferentes.

“Não temos nada contra ele e nem contra as músicas dele. Estávamos, sim, bloqueando mas foi porque estávamos sendo prejudicados com tantas mensagens dos fãs insultando a rádio e os profissionais, e que dificultam nosso trabalho. A gente tem programação criteriosa. Não é tão desse ritmo. Tocamos mais sertanejo e forró. A música de Pabllo não faz parte do nosso perfil, mas a gente já tocou sim a pedido dos fãs”, destacou.

Alô Alô Salomão