Moradores participam de oficina de planejamento para criação do Monumento Natural da Cachoeira do Acaba Vida

No domingo (4) moradores da comunidade da Mata da Cachoeira participaram de uma oficina de planejamento para criação do Monumento Natural da Cachoeira do Acaba Vida. O evento, coordenado pelo secretário de Meio Ambiente e Turismo de Barreiras, Demósthenes Júnior e o analista ambiental do órgão, biólogo Valmir Dâmaso, contou ainda com a presença de moradores de localidades circunvizinhas e do vereador Otoniel Teixeira. O objeto é criar uma Unidade de Conservação de Proteção Integral dentro da APA da Bacia Hidrográfica do Rio de Janeiro, com foco na preservação do ecossistema da localidade, para garantir a beleza cênica da cachoeira – considerada o cartão postal do Polo Turístico Caminhos do Oeste -, bem como, oferecer condições para pesquisas científicas, atividades de educação ambiental e de lazer.

Como o Monumento Natural é uma categoria de unidade de conservação de proteção integral criada pela Lei Federal 9.985 de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e estabelece critérios e normas para a criação, a implantação e gestão das unidades de conservação é a modalidade escolhida para aquela região. “A proposta visa oferecer um novo modelo econômico para o local através do turismo ecológico e de aventuras. Isso permitirá às comunidades um maior envolvimento no desenvolvimento social e econômico, com a inserção no processo turístico e busca de novas alternativas, gerando dessa forma, emprego e renda nos diversos setores da economia. Além disso, promoverá o desenvolvimento sustentável através de um modelo exemplar de conservação”, destacou o secretário, Demósthenes Júnior.

Durante o evento foram debatidas propostas para geração de emprego e renda com a criação da unidade, como o desenvolvimento de programas e projetos de manipulação dos recursos naturais renováveis e outros, transformando-os em produtos contemporâneos para atender demandas do mercado, gerar rendas, incluir pessoas e melhorar o trade turístico.

Para a criação, implantação e gestão da unidade de conservação, a participação efetiva da população é fundamental como forma degarantir que o processo seja feito de forma integrada com as políticas de administração das terras e águas circundantes, considerando as condições e necessidades sociais e econômicas locais.

O procedimento já passou por várias consultas dentre elas, a apreciação pelo Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, do Conselho Gestor da APA do Rio de Janeiro, além da realização de uma oficina na Comunidade de Cerradão, localizada na área entorno da cachoeira. O próximo passo será a última consulta pública agendada para quinta-feira (8), em Barreiras.

Dircom

Alô Alô Salomão