Motorista desaparecido após surto psicótico é encontrado nas águas do Rio Branco

 

Atacado por um surto psicótico, o carreteiro Carlos Ramos coelho, de 41 anos, natural de Petrolina-PE, foi visto entrando em um matagal nas proximidades da delegacia da Polícia Rodoviária Federal, ás margens da BR 242, município de Barreiras/BA, no último dia 03 de março de 2019 (Data do desaparecimento).

Na ocasião, desconfiados, os policiais rodoviários pediram ao carreteiro (Carlos) que informasse o número de telefone de algum familiar, com quem mantiveram contato informando a estranha conduta dele e sua fuga para o matagal. “Antes de sumir, ainda conversei com ele e notei que havia algo de errado em seu comportamento, porque dizia que estava sendo perseguido”, declarou George Ramos Coelho, irmão do carreteiro.

De acordo com George, antes desse episódio, seu irmão possuía vida normal e nunca apresentou sinais de distúrbio mental. Afirma que o mesmo tinha rescindido contrato com a empresa onde trabalhou durante aproximadamente cinco anos e viajava para o município de Tubarão/RS, com objetivo de receber seus direitos trabalhistas.

Foram 17 dias de constantes buscas e muito sofrimento para a família. Seus irmãos faziam apelos diariamente nos meios de comunicação pedindo ajuda na tentativa de localizá-lo.

Localização de Carlos

Ele foi visto por um pescador de prenome Carlos, que lhe ofereceu uma camisa e comida, na noite de terça-feira (19) nas proximidades do encontro do rio de Ondas com o rio Grande, perto da área urbana de Barreiras, mas evadiu-se do local e só voltou a ser localizado a aproximadamente 20 quilômetros de distância dali, na tarde desta quarta-feira (20), nas águas do Rio Branco, navegando sobre um pedaço de isopor. “O mesmo pescador encontrou ele. Foi um milagre de Deus, não tem outra explicação”, revela George, emocionado.

Ressalta que o motorista conseguiu sobreviver tantos dias dentro do mato, graças à experiência que adquiriu como pescador e a abundância de água na área onde se embrenhou. “Ele sempre gostou de pescaria em beira de rio. Não ficou sem beber, porque estava em um ambiente que possui muita água e isso ajudou bastante”.

“Os trabalhos de buscas contaram com efetivo apoio da imprensa, que conseguiu mobilizar pescadores e população em geral, além do exército (4º BEC), PRF, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Agradeço a todos pelo empenho. Também agradeço ao atendimento do SAMU e da equipe da UPA, onde meu irmão foi internado ontem à noite, recebeu importantes orientações e todos os cuidados médicos”.

Em companhia dos irmãos, George e Gerson Ramos Coelho, que chegou a Barreiras um dia após receber a notícia do desaparecimento, Carlos deve seguir ainda hoje para sua cidade de origem (Petrolina/PE).

Psicose

Uma pessoa com algum tipo de psicose pode desenvolver crenças ou ideias não baseadas na realidade, os chamados “delírios”. A intensidade deste sintoma costuma aumentar conforme o curso da doença. No começo, por exemplo, a pessoa pode ainda apresentar algumas dúvidas em relação a essas falsas ideias, mas com o passar do tempo ela se convence totalmente e mesmo o argumento mais lógico não faz sentido para ela. A falsa ideia de perseguição está entre os principais tipos de delírios, que são caracterizados por sentimentos de medo e desconfiança constante. Uma pessoa com psicose pode, ainda, achar que tem poderes especiais ou que a televisão ou o rádio estão mandando mensagens diretamente a ela.

Alucinações

São percepções falsas da realidade. O indivíduo ouve vozes, vê coisas que não existem, sente cheiros esquisitos e pode ter sensações tácteis desagradáveis.

Fonte de informações sobre psicose (Minhavida)

Alô Alô Salomão