PACIENTE RECLAMA DE ASSENTOS DO HOSPITAL DO OESTE

Image00001

Um paciente atendido esta semana no Hospital do Oeste reclama do estado lastimável dos assentos em um dos setores da unidade de saúde. “Por favor, façam uma matéria a respeito das cadeiras do HO, porque isso pode ser perigoso para a saúde de todos”, questionou em mensagem, acompanhada de fotografia, enviada à nossa redação.

Entramos em contato sua Assessoria de Comunicação, que nos enviou uma nota informando já ter solicitado uma nova remessa de assentos para a Sesab, estando no aguardo do recebimento. Também ressaltou que em relação ás cadeiras, o hospital realiza manutenções rotineiras, contudo, devido ao uso constante, a sua durabilidade acaba sendo reduzida.

Image00001

Com atendimento 24 horas, ele completa nove anos de existência em julho de 2015 e atende pacientes de 37 municípios da Macrorregião Oeste e até de outros estados, mas há comentários de problemas financeiros que ameaçam fechar suas portas.

Ele é o mais completo da região. Conta com uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulta, Unidade de Urgência e Emergência, Clínica Médica; Clínica Cirúrgica; Clínica Pediátrica, neonatal, Obstetrícia e Unidade de Queimados, porém, está superlotado, com grande deficiência de médicos, salários em atraso, dívidas, dificuldade de repasse para fornecedores e consequentemente, atendimentos comprometidos.

Seus médicos reclamam da grande demanda de pessoas a procura de atendimentos considerados ambulatoriais no órgão de saúde, isso porque eles não estão encontrando profissionais de plantão nos postos de saúde da rede municipal. Alguns, inclusive fecharam as portas por falta de médicos. Esses pacientes sempre migram de seus bairros para o HO, ajudando aumentar sua crise financeira.

Em recente entrevista à imprensa, o gerente administrativo-financeiro das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), Milton Carvalho destacou que a entidade filantrópica possui um déficit na ordem de R$ 42 milhões de contratos firmados com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Sua direção admite uma dívida apenas de R$ 26 milhões.

Alô Alô Salomão

farmacia-659x250 (2)