REUNIÃO DISCUTE MEDIDAS PARA RECUPERAÇÃO DO PROCESSO EROSIVO NA BR 020

Reunião contou com a presença de secretários municipais e representantes do DNIT, IBAMA e INEMA_opt

Na manhã da última quinta-feira, 28, secretários do governo municipal e representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) se reuniram para discutir as medidas de recuperação do processo erosivo da BR 020, em Luís Eduardo Magalhães.

O prefeito Humberto Santa Cruz foi representado na reunião pelos secretários de Governo, Renato Faedo; Meio Ambiente e Economia Solidária, Fernanda Aguiar; Infraestrutura, Fábio Lauck e Segurança, Ordem Pública e Trânsito, Agnaldo Antunes de Almeida. Os secretários e os representantes dos órgãos federais ainda realizaram uma vistoria nos locais atingidos.

A reunião se deu poucos dias após o DNIT decretar estado de emergência na rodovia. Segundo o engenheiro do órgão, José Mariano, esse decreto significa que o DNIT pode contratar uma empresa por um regime mais simplificado para realizar uma obra emergencial. “Se o processo erosivo que atingiu a rodovia e interditou meia pista não for emergencialmente resolvido, corre-se o risco da rodovia ser totalmente interditada”, conta.

Segundo o DNIT obra de recuperação do processo erosivo será realizada em três meses_opt

De acordo com o Heli Bomfim Nunes, analista em infraestrutura de transportes DNIT, o início das obras está previsto para a próxima semana e tem previsão de ser finalizadas de no máximo três meses. “Essa obra emergencial consiste na implantação de um dispositivo de drenagem tubular, que vai levar a água que chega no início do processo erosivo diretamente para o rio, evitando assim, que essa água carregue os sedimentos durante a decida, como ocorre hoje. Além disso, será feita a estabilização do talude da rodovia, impedindo que a rodovia venha sofrer novos danos”, explica.

Em relação à degradação do Rio de Pedras, Heli diz será feito um Projeto de Recuperação de Área Degradada (PRAD). “Esse projeto será apresentado junto aos órgãos ambientais e após aprovação deverá ser executado pelo DNIT”, observa. Presente na reunião, o Gerente Executivo do IBAMA, André Pereira Rodrigues esclarece que além da recuperação do canal é preciso recuperar o rio. “A preocupação do IBAMA é que além de recuperar esse canal de drenagem, é preciso, principalmente, promover a recuperação do Rio de Pedras, tirando o material arenoso que promoveu o seu assoreamento”, aponta.

Secretaria de Meio Ambiente e técnicos do INEMA e DNIT em vistoria ao Rio de Pedra_opt

A prefeitura de Luís Eduardo Magalhães continuará cobrando celeridade neste processo, auxiliando no que for preciso para resolver ambos problemas que tanto tem causado transtornos à população e prejuízos ao meio ambiente.

ASCOM LEM

Alô Alô Salomão

casas baiana