RIACHÃO DAS NEVES: INCÊNDIO MISTERIOSO DESTRÓI MAIS UM ÔNIBUS EM CARIPARÉ

Image00003

A proprietária dos veículos, a senhora Maria Rosa Souza Ferreira, conhecida por Maria do Adalto pede à polícia para investigar as causas do incêndio nos dois veículos que estavam estacionados numa área murada onde são deixados diariamente, no Distrito de Cariparé, município de Riachão das Neves.

Image00025

As chamas destruíram parcialmente um dos carros e ainda chegaram a atingir a lateral de outro que estava ao lado, mas foram contidas com o apoio de vizinhos da vítima. O fato ocorreu na madrugada desta quarta-feira, 12.

Ela e os filhos Cristina Souza Ferreira e Adailton Souza Ferreira suspeitam que o incêndio tenha sido criminoso, porém, somente investigação de uma equipe de perícia poderá esclarecer as causas. Situação semelhante já havia acontecido há três anos com outro ônibus de dona Maria. Cristina revelou que no primeiro episódio deixaram dois vasilhames com vestígios de gasolina no local, já desta vez, percebeu rastros no chão e marcas de sandália no muro por onde fugiu o possível autor.

A profissão de dona Maria e dos filhos foi herdada do ex-marido, o senhor Adalto Oliveira Ferreira, pai dos dois jovens, que há décadas, em tempos de difícil transporte de passageiros de Cariparé para Barreiras, apesar de possuir um dos braços amputado desde criança, dirigia muito bem e fazia o itinerário numa caminhonete, e desta forma, garantia honestamente o sustento da família, a qual deu continuidade ao trabalho comprando o primeiro ônibus após o seu falecimento.

Há anos os circulares fazem linha de Cariparé para Riachão das Neves e têm sido de fundamental importância para a população, principalmente quem não dispõe de um transporte particular para chegar até a sede do município.

Uma queixa foi registrada no Complexo Policial de Barreiras por Cristina e Adailton, os quais desconfiam que algum concorrente esteja ateando fogo nos veículos com a intenção de impedi-los de trabalhar. O DPT de Barreiras vai realizar perícia para tentar descobrir se houve alguma sabotagem e a Polícia Civil deve investigar a denúncia. “Esperamos que alguém faça alguma coisa desta vez, porque no primeiro caso ficamos sem respostas”, finaliza Cristina.

Há pouco mais de um ano, também em Cariparé, um micro-ônibus do senhor José Arruda foi destruído pelo fogo em frente a sua residência e anterior a este, um ônibus da empresa Entram.

Fotos: Cristina Souza Ferreira
Alô Alô Salomão

 

RC SEGUROS