USUÁRIO DE DROGAS BALEADO NÃO RESISTE AOS FERIMENTOS E MORRE NO HO

Image000028-659x203

João Paulo Santos da Silva, 32 anos, conhecido por Paulinho Pesqueira sofreu tentativa de homicídio na tarde deste domingo, 05, em frente à república onde morava, no beco do cemitério São Sebastião, bairro Barreirinhas, em Barreiras/BA. Ele morreu no Hospital da Oeste na noite deste domingo, 05. O corpo foi encaminhado nesta madrugada para o IML do Complexo Policial de Barreiras.

Detalhes do fato

De acordo com o pai da vítima, o vendedor ambulante José Cícero Sotero da Silva, seu filho foi atingido com tiros na cabeça e no abdômen. Uma das balas perfurou a testa e a outra o olho esquerdo. O autor do crime foi identificado pelo apelido de ‘Ceará’ da Vila dos Sás.

Familiares esclareceram que no momento do crime, Paulinho estava tomando refrigerante e com um prato de comida nas mãos, quando foi surpreendido pelo acusado que fugiu numa bicicleta. Suspeita-se que assassinato esteja relacionado com o tráfico de drogas.

Ele recebeu os primeiros socorros do SAMU e foi levado em estado grave para o Hospital do Oeste, onde faleceu horas depois. A Polícia Militar foi ao local do fato e saiu em diligência na tentativa de encontrar o suspeito, porém não obteve êxito.

José Cícero comentou que seu filho estava tendo alucinações, sensações de perseguição e ataques de medo por causa da droga. “Começou um tratamento psiquiátrico, mas tinha deixado de tomar o medicamento há poucos dias. Não tinha forças de reagir contra o vício. Se encontrava muito magro e perturbado da mente”, disse o pai de João Paulo.

Afirmou que usava todo tipo de droga e vendeu parte do que possuía para satisfazer a dependência química. “O que não conseguiu vender, destruiu nos momentos de alucinação. Outro dia, queimou o resto do que tinha e abriu um buraco no quarto onde morava, dizendo que pretendia levantar um prédio”, falou entristecido.

A mãe de Paulinho, a senhora Etiene Fátima está em Pernambuco, onde foi comprar mercadorias para abastecer seu comércio no Centro de Abastecimento de Barreiras. Ela e o esposo (José Cícero) são vendedores ambulantes. “Era muito preocupada com ele, por isso, já estou pensando em sua reação quando receber a notícia”,

O caso deve ser registrado no Complexo Policial de Barreiras e investigado pela Delegacia de Homicídios do município.

Alô Alô Salomão

 

CASA DO MARCENEIRO